Nov 21, 2017 11/21/17
Considerações de Um Não-Político
As revoluções em nome do povo
Considerações de Um Não-Político Renzo Grosso
Renzo Grosso on domingo, fevereiro 22, 2015
Comentários [0]
Política [19]

O mundo já presenciou inúmeras revoltas, golpes e revoluções tratados sob a efígie da "vontade popular".  

As revoluções do povo, para o povo ou pelo povo, em geral se resumem a entregar o poder a um grupo ainda pior do que aquele que ele deseja derrubar.   Não há notícia de alguma reforma dessa natureza que tenha trazido o bem à população.  

A revolução francesa (1789) matou seus líderes - esfaqueou Marat na banheira, decapitou Robespierre e Danton - e levou a França à era mais sangrenta da sua história.

A revolução bochevique (1914) matou a família Romanov e Stalin acabou com mais de 20 milhões de soviéticos.

A revolução cultural (1911-1945) de Mao-Tse-Tung eliminou a dinastia Manchu e mais de 50 milhões de chineses.

E ainda temos a cubana, a espanhola, a primavera árabe, as africanas...

Em todos esses casos, a população se viu enganada pelos revolucionários que, por ganância ou puro preciosismo, distorceram os ideais e abusaram da força bruta para manter o controle do mesmo povo que os aplaudiu.   Muito diferente dos levantes populares que fizeram ditadores deixarem o poder numa transição pacífica e democrática.  

Em Portugal, a Revolução dos Cravos contra o regime salazarista de Marcelo Caetano, foi um bom exemplo de transição pacífica sem disparar um único tiro.   Franco, na Espanha, restaurou a monarquia com Juan Carlos, depois de quase quarenta anos de mortes e violações dos direitos individuais. 

Nos anos sessenta e setenta, a América Latina presenciou todo o tipo de perseguição política em quase todos os países.

No Brasil, tivemos o movimento pelas "Diretas Já" (1983) promovido pelos senador Teotônio Vilela e o então MDB, de Ulisses Guimarães, somada às hordas estudantis e inúmeros políticos de primeira grandeza.  Numa votação que varou a madrugada, o congresso resolveu não realizar as eleições diretas para presidente, mas já havia em curso a abertura política, promovida pelo então presidente Figueiredo, apesar do atentado ao Riocentro em 1981.

No entanto, naquilo que poderia parecer uma conspiração pela democracia, os anos 80 levaram a mesma América Latina de volta às eleições livres e ao respeito às liberdades individuais.  Se bem que, recentemente, alguns desses países estão se distanciando novamente dela. 

O mesmo não se aplica àqueles países da chamada Primavera Árabe, que continuam a dividir o poder matando seus opositores.  A paz está longe de acontecer, já que a democracia nem sempre pode ser insituída onde o estado e a religião caminham juntos.

Esses ideais revolucionários não deram certo.  E "dar certo" significa trazer de volta ao povo amargurado e sofrido aquela tão sonhada dignidade, ceifada durante décadas pelos governantes inescrupulosos ou coisa assim.

O poder inebria os comandantes.


NE: "Considerações de Um Não-Político", 1918, (Betrachtungen eines Unpolitischen) é uma obra de Thomas Mann.

Imagem: "A Liberdade Guiando o Povo", (La Liberté Guidant le Peuple), 1830, de Eugène Delacroix

 

 

           
  Comentários
» Ainda não houveram comentários. Seja você o primeiro !.

 
 Name:


 Email:


 Comment:



 Captcha:


Pesquisar
Nossos Parceiros
Artigos relacionados
De novo, milhares de pessoas foram para a Av. Paulista neste domingo, 13 de dezembro.E, de novo, a multidão pedia o fim da impunidade, enaltecia a.... De fato, existe certo constrangimento ao ser acordado às 6 da manhã com a Polícia Federal batendo na sua porta.Invariavelmente alguém vai sair de.... Os restaurantes da cidade de São Paulo produzem diariamente todo tipo de pessoas que já viraram quase uma lenda entre os habitués. São ou foram.... Bem disse a ex-ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário (PT-RS): "Ele era traficante e não herói !". O canal pago GloboNews mostrou a saga, se.... Entende-se por sociedade todos aqueles que fazem parte de um determinado meio ou comunidade, mesmo que segregados por alguma questão intelectual, religiosa, raça....