Política

A Princesa

O Principado de Mônaco é um estado independente encrustado na costa francesa e governado pela Casa de Grimaldi desde 1297.

No final do século XIX, o Principado já tinha a fama de parque de diversões dos endinheirados e o lugar atraía a todo o tipo de ricos, como magnatas e grão-duques russos, muitas vezes em companhia de suas amantes, e chegou a ser chamado "A fossa moral da Europa". A ponto de, durante sua estada na Riviera, a Rainha Vitória se recusar a visitar o local por considerá-lo vulgar.

Em 1882, a França e o Principado assinaram um Tratado estipulando ou ratificando tratados anteriores que, entre outras coisas, definia algumas regras de sucessão ao trono monegasco como, por exemplo, na falta de um sucessor direto - leia-se um Grimaldi - o território passaria ao controle francês. Ou, no mínimo, o trono iria para os primos alemães dos Grimaldi, para desespero geral dos franceses.

Corria o ano de 1918 e, ao ser alertado desse detalhe, o então Príncipe Alberto I ficou aflito por saber que seu filho e sucessor, Luís, não cogitava se casar e ter filhos abrindo, assim, uma séria crise na sucessão do trono.
Com o problema a resolver, Luis foi buscar a solução na Argélia.

Explica-se:
Vinte anos antes, enquanto servia no exército francês na Argélia, Luis conheceu Marie Juliette Louvet e não demorou a se apaixonarem. Tiveram juntos uma filha, Charlotte, nascida em 1898 e reconhecida por ele em 1900.  Em 1911, uma portaria do Principado reconheceu-a como tal e ela foi admitida como uma Grimaldi, mas essa questão foi bastante contestada pelo Conselho Nacional de Monaco que a invalidou, alegando os estatutos de 1882.

De volta a 1918, Luis viajou para a Argélia, trouxe Charlote para a Europa e uma nova Lei foi criada permitindo que Charlotte fosse adotada por Luis dando a ela todos os direitos hereditários e concedendo-lhe o sobrenome Grimaldi, além do título de Duquesa de Valentinois.

Problema resolvido, mas nem tanto, em 1920 Luis arranjou o casamento de Charlotte com o Conde Pierre de Polignac. Não satisfeito, Luis ainda exigiu que este mudasse de nome, passando a assinar Pierre Grimaldi !
O casamento durou até 1930 e, dele, nasceram dois filhos: Antoinette e Rainier.
A partir da morte de Alberto I em 1922 e a ascensão de Luis como Luis II, Charlotte tornou-se a herdeira aparente do trono.
Porém, em 1944, um dia antes de Rainier completar vinte e um anos, Charlotte cedeu a ele todos os direitos ao trono de Mônaco, deixando de ser Princesa Herdeira, mas mantendo os títulos de Princesa de Mônaco e Duquesa de Valentinois.

Luis II morreu em 1949 e Rainier passou a governar o Principado como Rainier III casando-se, em 1956, com a atriz americana Grace Kelly.

Só para citar:
- Os Príncipes de Mônaco são tratados como "Sua Alteza Sereníssima" ou "SAS".

- A biografia autorizada de Rainier não cita sua avó, Marie Juliette, nem deixa clara as condições da adoção de Charlotte.

- Sabe-se apenas que a França vez vistas grossas em alguns momentos dessa adoção a fim de não interferir demais na política do Principado. A Lei Sálica, do século V e ainda em vigor, estabelecia que apenas homens, filhos de Reis poderiam herdar o trono da França. Por força do tratado de 1882, que definia que a defesa do Principado estaria sob responsabilidade francesa e, por contrapartida, o Principado se comprometeria a se manter alinhado com a política e economia francesas, presume-se que a Lei Sálica também se aplicaria ao Principado, fazendo de Charlotte uma princesa não herdeira do trono e impedindo também que Rainier o herdasse.

- Diz-se que Marie foi a grande paixão de Luís, mas ele jamais poderia levá-la para Mônaco, pois ninguém aceitaria uma cantora de cabaré por lá, muito menos Alberto I. Alguns historiadores afirmam que eles se casaram em segredo, mas isso nunca foi provado.

- Luis II casou-se com Ghislaine Dommanget em 1946 e não tiveram filhos.

Charlotte morreu em 1977.



NE - "A Princesa" é um conto de Tcheckhov.



Leave a comment